Noturnall: “Fizemos um show com nível de Rock in Rio”

By: Reynaldo Trombini

“Fizemos um show com nível de Rock in Rio”

Heavy Metal Online – “Back to Fuck You Up!” seguiu a mesma roupagem do disco de estreia e mostrou a banda com sua sonoridade cada vez mais moldada. Você concorda? Quais os pontos fortes do processo de composição desse trabalho?

Léo Mancini – Desde que eu, Thiago e Fernando nos encontramos, sempre tentamos nos superar como músicos a cada disco lançado. Depois o Junior Carelli (teclado) com outra forma de composição e, por último, todas as notas possíves de bateria com o Aquiles.

E, como é o mais novo trabalho, também é o que exigiu das nossas habilidades. A música começa com o Thiago e Fernando que apresentam as primeiras idéias e estruturas. Entro com o Juninho nos instrumentais progs. E o Aquiles escuta loucuras, xinga a gente, depois cria coisas absurdas e acabamos xingando ele ! (risos)

Mas realmente esse segundo trabalho mostra que não perdemos a linguagem do primeiro. Descobrimos que, de onde saíram as idéias, ainda há muito mais. Cada vez temos mais química em banda o que nos deixa muito seguros compondo e ao vivo!

Este disco está mais pesado, mais técnico e com vocais mais rasgados e guturais!

Heavy Metal Online – Em menos de dois anos a banda já acumula turnês fora do país, cinco clipes, um DVD e dois discos, todos esses conseguindo boa repercussão da mídia especializada e do público. Além da experiência, há qual outro fator você credita essa rápida notoriedade do Noturnall?

Léo Mancini – Nós temos na banda Thiago, Fernando e Juninho que são o extremo da correria. Idealizam uma coisa e não descansam até que esteja concretizado. Eles são os responsáveis por todas as nossas conquistas. O Juninho, além de ser um super músico, também é um grande produtor de vídeo. Ele é responsável por toda essa parte na banda. Eu e Aquiles completamos esse time ajudando o trio na execução do planejamento e, com isso, temos esse time forte e em ascensão.

Heavy Metal Online – Fale-nos sobre a apresentação da banda no Rock in Rio e quais as boas lembranças daquela ocasião.

Léo Mancini – Chegamos lá pelo que já construímos com a Noturnall e por nossas carreiras. Todos temos muito tempo de estrada e muita história no cenário brasileiro e exterior.

Quando fomos convidados, além da emoção e felicidade, sentimos a responsabilidade que tínhamos em relação ao nosso show nesse evento. Quase um ano preparando 50 minutos de apresentação. Mais uma vez Thiago, Fernando e Juninho tendo zilhões de idéias e partindo pra cima com nossa ajuda (eu e Aquiles).

Bola gigante, pole dancers zumbis, mascote Zumbi gigante, mãe do Thiago cantora dos grandes festivais dos anos 60/70, Mike Orlando (Adrenaline Mob) e o ídolo Michael Kiske.

“Acabo me achando musicalmente em tudo o que me proponho a fazer”

Antes do show estávamos todos com aquele frio na barriga. Na verdade, era um frio diferente! Na hora do show foi muito louco. Entramos com muita energia e curtimos o momento, pois foi mágico.

Assisti a primeira edição pela televisão com meus pais e ficava imaginando estar no palco tocando violão (risos)! Após o show caiu a minha ficha do que havia acontecido! Muita emoção, todos de abraçando, notícias em diversas mídias sobre nosso show, enfim, toda luta valeu a pena e fizemos um show com nível de Rock in Rio. Foi uma vitória que nos dá gás para seguir alcançando algo além das nossas mãos!

Heavy Metal Online – Você é um músico que já tocou Hard Rock com a banda Tempestt, Metal Melódico com o Shaman e agora está investindo no Prog Metal do Noturnall. Fale-nos sobre como essa versatilidade facilita o seu desempenho em estúdio.

Léo Mancini – Eu toquei em bandas de diversos estilos e, sempre, tinha que me moldar a sonoridade de cada banda. Minha veia é hard e prog mas, com o tempo fui absorvendo muito do metal melódico.

Mas, no final, acabo me achando musicalmente em tudo o que me proponho a fazer. Minha sonoridade já esta consolidada, graças a Deus! Isso facilita muito em estúdio pois me possibilita um criação mais abrangente, pegando empréstimos de outras linguagens a favor de uma música mais rica e interessante.

Heavy Metal Online – O Metal nacional ficou evidenciado meses atrás com o ingresso de Kiko Loureiro no Megadeth, em outro extremo muitas bandas sofrem com falta de apoio e se esbarram nas dificuldades de tocar Metal por aqui. O que te faz hoje, sentir-se motivado fazendo Metal em nosso país?

Léo Mancini – Hoje minha opinião modou um pouco sobre isso. O Kiko é um grande exemplo de artista. Ele não é apenas um dos melhores guitarristas mundiais. Ele sabe conduzir a carreira dele com excelência.

Hoje em dia, não basta ter um puta som. Tem que estudar mercado, planejar divulgações, criar conteúdo para redes sociais, cuidar do visual, produzir fotos e vídeos com bom nível de qualidade, saber se expressar, não se queimar, ser profissional etc. Enfim, ser uma empresa!

Eu estou em uma banda que, além do amor pelo que faz, também é uma super empresa! E todas as nossas conquistas nos motivam mais.

Heavy Metal Online – Agradecemos a atenção, deixe uma mensagem para nossos leitores. O espaço é seu!

Léo Mancini – Agradeço a vocês pelo espaço e agradeço aos leitores por acompanhar o Rock, em todas as suas formas. Vocês são o nosso combustível e nossa alma. Graças a vocês continuamos a fazer o que amamos! Grande abraço, irmãos!

Assista ao vídeo da faixa ‘Zombies’, no Rock in Rio 2015:

Tag:

COGUMELO RECORDS – 30 ANOS

O METAL RESGATANDO A NOSSA HISTÓRIA

EVOLUÇÃO NO HEAVY METAL

Back to Top