ORTHOSTAT: ” Quem não entende o novo cenário está fadado a ser rotulado de saudosista ou cabeça dura”

Post feito por Clinger Carlos

O Heavy Metal On Line bateu um papo exclusivo com a banda ORTHOSTAT e este bate papo pode ser conferido nesta matéria especial. Falando da atual situação mundial e de outros fatores relevantes David Largo destacou também o impacto do COVID-19 no cenário heavy metal atual.

PRIMEIRAMENTEMUITO OBRIGADO POR ESSA ENTREVISTA. FALE UM POUCO MAIS DAS ORIGENS DA BANDA. QUANDO E COMO SE FORMOU E PORQUE A ESCOLHA DO NOME ORTHOSTAT? COMO SURGIU A IDÉIA DE FORMAR UMA BANDA DE DEATH METAL? 

David Lago: ORTHOSTAT é uma lápide de pedra, geralmente grande, normalmente em uma posição vertical. Vários monumentos históricos são considerados “Orthostats” como o Stonehenge, que são vários Orthostats juntos. O nome teve a principal influência na “Estela dos Abutres”, monumento de pedra escavada artificialmente, encontrado na mesopotâmia há 6 mil anos, e que conta a história de uma guerra entre o povo sumério e um povo vizinho, detalhando a vitória em vários quadros.

VAMOS FALAR SOBRE A PRÉ-PRODUÇÃO DE SEU NOVO ÁLBUM, COMO ESTÁ SENDO TODO O PROCESSO? 

DL: Estamos fazendo tudo remotamente, primeiro porque dois dos nossos membros moram em cidades diferentes, em torno de 1h, mas o principal impeditivo é a atual pandemia que estamos passando. Desta forma, os arranjos vão demorar bem mais para serem fixados, pois a única forma que conseguimos trabalhar é gravando vídeos e enviando aos outros membros, e assim trabalhando nas composições. Considerando que o disco novo será um pouco mais técnico que o anterior (e mais obscuro também), a dificuldade aumentou consideravelmente nesta estratégia que adotamos para composição.

COMO ROLA O PROCESSO DE COMPOSIÇÃO DA BANDA? TODOS CONTRIBUEM COM LETRAS E MELODIAS? 

DL: Na época que comecei a compor as músicas, fazia tudo sozinho, mas hoje, com a banda bem consolidada e excelentes músicos para trabalhar, fica bem mais fácil fazer música. Todos participam e contribuem com ideias fantásticas que com certeza não seriam compostas por uma única mente. As músicas agora possuem vários elementos de identidades diferentes, e mesmo com a costura de arranjos e composições de músicos com suas próprias características musicais, as músicas compostas em conjunto soam consistentes, homogêneas e íntegras. Estamos empolgados com algumas músicas com características mais progressivas, que não repetem nenhuma estrofe ou riff.
 

VÁRIAS INFLUÊNCIAS TEMÁTICAS PERMEIAM AO SOM DO ORTHOSTAT. PODE COMENTAR UM POUCO SOBRE ELAS? 

DL: As letras do primeiro disco foram completamente centradas em civilizações antigas, e seus costumes. Naquela época estava lendo bastante sobre estes assuntos. Há uns 4 anos tenho lido sobre astrofísica e física quântica, e acompanhado bem de perto os estudos científicos que cercam este meio, através de vários canais de ciência do Youtube (Spacetoday, PBS Spacetime), e sites e revistas online. Esta obsessão pelo tema acabou levando as letras para a mesma direção. Será mais um disco conceitual, onde as temáticas contarão a história do universo desde o início ao seu fim, de forma sequencial. Acho que é a nossa contribuição para a divulgação científica, tão esquecida no nosso país. É um nicho bem pequeno dentro do metal, mas cada um faz como sabe fazer (risos).

VOCÊS ACHAM QUE A INTERNET TAMBÉM AJUDA A FORMAR MAIS PÚBLICO PARA AS BANDAS? COMO VOCÊ VÊ A IMPORTÂNCIA DESSE RECURSO DENTRO DO CENÁRIO ATUAL? 

DL: Sem sombra de dúvidas! Quem não entende o novo cenário está fadado a ser rotulado de saudosista ou cabeça dura. A internet é nosso principal canal de divulgação da nossa música. Algumas das coisas que nos deixa mais empolgados é quando recebemos contato de algum seguidor da banda de lugares remotos, onde nunca teríamos a oportunidade de tocar (há alguns meses enviei dois CDs para o Omã). Além disso, a internet sempre foi a minha principal ferramenta pessoal de networking, assim mantemos contato com os nossos seguidores, conhecemos novas bandas, e fazemos novos amigos.

Spotify: https://open.spotify.com/album/6aUvHqS0brqUaLVt42WRuJ
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/84777342
iTunes: https://itunes.apple.com/br/album/monolith-of-time/1450238435
Napster: https://us.napster.com/artist/orthostat
Claro música: https://www.claromusica.com/album/6834010
Amazon Music: https://music.amazon.com/albums/B07MZM8F16/B07MZMJPY5

 

O QUE VOCÊ ESTÁ OUVINDO HOJE? QUAIS SÃO SUAS IMPRESSÕES SOBRE A CENA DO METAL HOJE EM DIA? ALGUMAS PESSOAS DIZEM QUE ESTÁ PASSANDO POR UMA ESTAGNAÇÃO, VOCÊ ACHA ISSO TAMBÉM? 

DL: O que estou ouvindo? Esta é obviamente uma pergunta pessoal, então vou responder como David Lago. Várias pessoas classificariam meu gosto musical como excêntrico. Ao contrário do que a maioria espera de um integrante de uma banda de death metal, o estilo não compõe uma grande porcentagem do que ouço. Além de discos novos de metal extremo e os clássicos de sempre, nos últimos anos tenho ouvido muitas bandas de progressivo da década de 70, como Gentle Giant, Yes, outras mais modernas, como Echolyn e Wobbler, além disso, escuto muito fusion como Son Swagga, Tigran Hamasyan, The Funky Knuckles, e umas coisas piradas tipo Mr. Bungle, o eterno Zappa, Morgan Ägren, Virgil Donati, Yussef Dayes, FORQ, e bastante jazz moderno, Gretchen Parlato, Esperanza Spalding, Grethe Kausland, Ari Hoening, Denise Donatelli. Enfim, não é uma lista que faria muito sucesso por aqui, mas nunca vou deixar de ouvir o que gosto. Acho que o segredo de manter a mente sempre sadia musicalmente é ter sede de conhecer coisas novas e nunca ter preconceito com nenhum tipo de arte musical.

Acho que desde 2017 estamos passando por um período muito ruim no metal. Os cenários não são muito bons para o futuro também. Infelizmente teremos que esperar mais alguns anos, com a esperança de que este país não seja vencido pelo preconceito à música extrema, e que tenha mais apoio à arte, mesmo que ela seja menos acessível à população média.

MUITO SE DISCUTE SOBRE O FUTURO DO METAL. VOCÊ VÊ NOVAS BANDAS BRASILEIRAS SE DESTACANDO? 

DL: A banda possui muitos contatos com várias bandas brasileiras, e até onde podemos falar ninguém está muito feliz. O metal brasileiro tem excelente qualidade desde sempre, mas infelizmente não temos muita visibilidade no exterior, e ter destaque por lá é algo para bandas que acabam se consolidando com algum som que seja de fato mais acessível. Não vejo estas bandas se destacando e este não é e nunca será o caso da ORTHOSTAT e de várias outras bandas do cenário do metal extremo underground. Por outro lado, somos muito gratos pelas pessoas que nos seguem e gostam do nosso som. Eu acho que nossa música não é agradável ou acessível e quem gosta é quem realmente curte. Este é o destaque que queremos: alcançar estas pessoas.

COMO ENCARAR O DESAFIO DE FAZER A ORTHOSTAT CRESCER E SE DESENVOLVER CADA VEZ MAIS PROFISSIONALMENTE, E TENTAR UMA EXPOSIÇÃO MAIOR NA CENA NACIONAL? 

DL: Não há nenhum desafio em fazer o que amamos (risos). ORTHOSTAT é um projeto pessoal para todos os integrantes da banda, mas nunca levaríamos isto profissionalmente. Acredito que a partir do momento que se escolhe levar a música de forma profissional, se perde a liberdade de fazer o que gosta e a necessidade de fazer o que os outros gostam ganha foco. Porém, o foco da banda sempre foi fazer o que gostamos, o que nos agrada. O nosso desafio é ser o melhor Orthostat que o ORTHOSTAT pode ser, desde composição à execução. Ser honesto no nosso som é muito importante para nós, e creio que para o nosso estilo temos um público alvo bem específico. Para ter uma maior exposição na mídia, nós temos uma grande parceria com a Sangue Frio Records que faz um excelente trabalho de divulgação, e que consegue atingir este público alvo.

OBRIGADO PELA ENTREVISTA E ESTEJA À VONTADE PARA FALAR AOS FÃS DA ORTHOSTAT. 

DL: A banda agradece a entrevista da heavy metal online, foi um prazer responder as perguntas de vocês e nos posicionar em relação a alguns pontos bem importantes em relação ao nosso som. ORTHOSTAT está em processo de composição do novo disco, mesmo à distância devido a pandemia. Continuamos cada vez mais empolgados com nossa música e já estamos subindo pelas paredes de ansiedade para gravar o novo disco! Espero que todos gostem. Hail!

 

ORTHOSTAT é:

David Lago: Vocais/Guitarra
Rudolph Hille: Guitarra
Eduardo Arbigaus: Baixo
Igor Thomaz: Bateria

 

Contato para assessoria de imprensa: www.sanguefrioproducoes.com/contato
Sites relacionados:
https://www.facebook.com/OrthostatDM
https://www.youtube.com/channel/UCcmUFU2I1rpPOZf5BRyL9rQ
https://orthostat.bandcamp.com/
https://sanguefrioproducoes.com/artistas/ORTHOSTAT/65

Manaus: A FORÇA QUE VEM DO NORTE

COGUMELO RECORDS – 30 ANOS

Por que o METALLICA é tão grande ?

O METAL RESGATANDO A NOSSA HISTÓRIA

EVOLUÇÃO NO HEAVY METAL

O MAL QUE NOS FAZ !

Back to Top