Project46: “Vamos durar por décadas, podem ter certeza!”

“Vamos durar por décadas, podem ter certeza!” O Project46 é, sem dúvida, uma das bandas brasileiras com maior evidência no cenário nos últimos anos. Tudo porque a banda tem nas mãos dois elogiados discos de estúdio e já carrega na bagagem passagens por grandes festivais e shows no exterior! Heavy Metal Online – Já há alguns meses a banda divulga seu recente disco “Que Seja Feita a Nossa Vontade” (2014), sucessor do estreante “Doa a Quem doer” (2011). Fale-nos um pouco do processo de composição desse trabalho e aonde a banda mais se destacou em sua visão. Rafael Yamada – É um prazer responder essa entrevista. Sobre a composição do QSFNV, o que posso dizer é que foi bem natural e democrático. Algumas músicas saíram de jams feitas no estúdio, e outras de idéias que a gente trazia de casa. O mais legal nesse ponto é que todo mundo opina em tudo, eu gosto muito de compor na guitarra, o Caio também faz isso, nunca tivemos nenhum tipo de preconceito na hora de criar e experimentamos tudo que vem na nossa cabeça. A intenção do disco era ser um disco de metal, extremamente pesado, com letras trabalhadas, muito bem executado e com um nível técnico elevado. Precisávamos de um disco mais extremo e trabalhado que o primeiro, como banda ainda temos muito o que provar. Esse disco também foi uma conquista individual nossa, como músicos estamos em constante evolução. Foi um desafio bem louco gravar esse disco e um maior ainda é executá-lo ao vivo, o que exige a nossa melhor forma o tempo todo. Heavy Metal Online – Falando ainda dos discos do Project 46, ambos estão disponíveis para audição na íntegra via Internet. Até que ponto esse tipo de “presença” na internet contribuiu para a rápida ascensão do grupo no cenário brasileiro? Rafael Yamada – A internet atualmente é o principal meio de comunicação com o público. Trabalhamos muito as redes sociais como Facebook e Instagram. Acreditamos que esses são os meios mais eficientes de manter a proximidade com os nossos fãs. Não tenho tanta propriedade para falar […]