METAL VRAU sendo ROCK STAR por um dia!

Clinger Carlos

Se você gosta de Heavy Metal assumirá subitamente que já gritou diversas vezes “Stand Up And Shoooout” até se esgoelar! Isso é um fato! A ‘collab’ lançada pelo METAL VRAU nesse semana é justamente essa que é uma das faixas mais emblemáticas extraídas da trilha sonora do famosíssimo filme “Rock Star”, lançado há exatos 20 anos (2001) e muito querido pelos amantes do bom e velho metal! Não só a trilha sonora de peso, mas toda a história do filme é praticamente o que todo jovem (e até mais velhos) sonha um dia: se tornar um famoso ‘rock star’. Seu enredo foi levemente baseado na história do cantor Tim “Ripper” Owens, cantor de uma banda cover da gigantesca banda de Heavy Metal britânica Judas Priest na época e que teve a sorte grande em ser escolhido para substituir seu ídolo Rob Halford na própria, e tem uma trilha sonora matadora repleta de grandes do metal, como, por exemplo, Jeff Scott Soto, Zakk Wylde, Jason Boham, Jeff Pilson etc, caindo nas graças de todo headbanger que se preze. Até hoje, e pelas próximas gerações, a fictícia banda ‘Steel Dragon’, que simbolizava o Judas Priest no filme, será sempre lembrada por conta de verdadeiros clássicos gravados com os monstros citados acima. Assista a versão de “Stand Up And Shout!” do METAL VRAU e inscreva-se no canal: https://youtu.be/LRxkD-txSMs “Stand Up And Shout”, composta por Sammy Hagar (ex-Van Halen), foi gravada originalmente por Jeff Scott Soto (vocal), Zakk Wylde (guitarra) e Jeff Pilson (baixo) e aqui conta com as seguintes feras brasileiras: Rafael Pacheco – Vocal/Guitarra (Untrusted/Empire) (@rafaelrcpacheco) Marcos Rodrigues – Baixo (Sarkaustic) (@marcosramosrodrigues) Silvio Senna – Bateria (Ministério da Discórdia/Sarkaustic) (@silviosenna72) Cada integrante da ‘collab’ capturou seu próprio som e takes de filmagem. Produção de áudio por METAL VRAU. Todos os direitos sobre a música pertencem à marca STEEL DRAGON, bem como todos seus representantes legais/culturais. “Desafio realizado e cumprido! Graças a ajuda dos meus brothers Silvio e Marcos, que tiveram a coragem de entrar nessa comigo (risos), consegui gravar uma das músicas que marcaram a minha vida dentro do Rock/Metal graças ao filme ‘Rock Star’. Espero não ter decepcionado!”, comentou Rafael Pacheco. E aí, o que acharam? Se inscrevam no canal e comentem! Mais sobre o METAL VRAU: O METAL VRAU é um canal paulistano no YouTube, fundado em maio de 2018 pelos […]

Genius Of Sugarcane: “Stoner de qualidade direto das terras capixabas”

Clinger Carlos

O Heavy Metal On Line bateu um papo exclusivo com a banda GENIUS OF SUGARCANE e este bate papo pode ser conferido nesta matéria especial. Falando da atual situação mundial e de outros fatores relevantes David Largo destacou também o impacto do COVID-19 no cenário heavy metal atual. Sabemos que quase todas as bandas do cenário têm frequentes problemas com mudanças na formação, como foi o caso da Nervosa recentemente. Fale sobre os impactos de uma mudança na formação de uma banda e como está a formação da banda atualmente? R: Acreditamos que essa questão é bem relativa, depende de todo o contexto envolvido, por trás das mudanças na formação, mas claro, sempre visando a evolução e o melhor para a banda. Atualmente a Genius se encontra na sua melhor formação após algumas mudanças,  sempre focados em evoluir e desenvolver novas experiências a fim de entregarmos o melhor de nós em todas as nossas músicas. Como você enxerga os lançamentos feitos por bandas atualmente no quesito mídia? Quais são suas mídias favoritas atualmente quando você vai comprar um material de uma banda? R: Enxergamos como uma grande evolução o leque de possibilidades existente para se lançar a sua música, que a alguns anos atrás, era muito limitado. Hoje com a internet  e as diversas plataformas de streaming, é possível divulgar a música para o mundo todo, estamos constantemente conhecendo pessoas do mundo todo, e isso é uma das coisas que tornam todas essas experiências como algo único. Sobre o material que consumimos, gostamos muito do material das bandas do underground, camisas, discos, zines, etc. Se fosse para você escolher um álbum de metal do Brasil e classifica-lo como o mais importante para a nossa história, qual seria? Justifique ainda a importância deste álbum na sua opinião … R: Bruno (Baixista) – Flor Atômica,  Stress de 1985. A cena underground estava começando a dar os primeiros passos e após o lançamento desse disco, o movimento começou a ganhar mais atenção da mídia. A banda já tinha algum destaque e tocou em alguns eventos maiores nessa época, costumava dar oportunidade as bandas que […]

Vulcane: inovação sem amadorismo

Clinger Carlos

O Heavy Metal On Line bateu um papo exclusivo com a banda VULCANE e este bate papo pode ser conferido nesta matéria especial. Falando da atual situação mundial e de outros fatores relevantes Gabriel Bonilha destacou também o impacto do COVID-19 no cenário heavy metal atual. Vulcane foi formada em 2019, tem como integrantes Felipe Silva (Baixo), Matheus Sousa (Guitarra), Victor Pacheco (Bateria) e Gabriel Bonilha (Vocal), originados de São João da Boa Vista, interior de São Paulo. • Sabemos que quase todas as bandas do cenário têm frequentes problemas com mudanças na formação, como foi o caso da Nervosa recentemente. Fale sobre os impactos de uma mudança na formação de uma banda e como está a formação da banda atualmente? Gabriel Bonilha: Na realidade é um processo natural e muito comum a mudança de formação de qualquer banda, os maiores impactos são dois: Primeiro ponto é o material de MKT, que no caso deve ser todo renovado, ou seja todo processo de imagem da banda acaba sendo afetado e deve ser retocado rapidamente e isso gera um “retrabalho” pois as pessoas querem ver o atual e novo e principalmente se a força e confiança da banda continua. Segundo é  a sonoridade, por isso o grande cuidado na hora da escolha de um novo membro, as visões devem estar bem alinhadas sobre o som, e principalmente o costume na execução o encaixe de todas as partes, e isso demanda muito mais ensaios para a nova adaptação. Na Vulcane utilizamos destes pontos negativos para torna-los positivos, neste momento é o momento exato para retocar falhas passadas no material e inovar com o membro novo, trazer elementos novos sonoros e artísticos novos que causem mais impacto e profissionalismo. Estamos confiantes e sedentos para mostrar a nova cara da banda. • Como você enxerga os lançamentos feitos por bandas atualmente no quesito mídia? Quais são suas mídias favoritas atualmente quando você vai comprar um material de uma banda? Gabriel Bonilha: Muitas bandas ainda estão calcadas no passado e ainda insistem em vender algo que não funciona. Atualmente o Merchandising é a alma do negocio, camisetas representam muito […]

INNER CALL: “O Holy Land do Angra é um divisor de águas para a cena Heavy metal no Brasil”

Clinger Carlos

O Heavy Metal On Line bateu um papo exclusivo com a banda INNER CALL e este bate papo pode ser conferido nesta matéria especial. Falando da atual situação mundial e de outros fatores relevantes Roberto Índio e Luiz Omar destacou também o impacto do COVID-19 no cenário heavy metal atual. Sabemos que quase todas as bandas do cenário têm frequentes problemas com mudanças na formação, como foi o caso da Nervosa recentemente. Fale sobre os impactos de uma mudança na formação de uma banda e como está a formação da banda atualmente? Roberto Índio: Historicamente, a maioria das bandas mudam suas formações por razões diversas. Poucas são as que mantém a formação original até o fim , por hora só consigo lembrar do Queen e Rush. Esse processo acaba sendo comum e os benefícios e prejuízos também são variáveis. A ideia é que se mantenha ao menos parte da banda que permita que a essência permaneça e os benefícios superem os prejuízos. Luiz Omar: Interessante Roberto citar Rush e Queen. Realmente foram duas bandas que durante a fase de sucesso se mantiveram com a mesma formação, embora ambas tivessem passado por perrengues pessoais, dado um tempo para não acabar ou mesmo quase acabado, como foi o caso do Queen. Mas, ainda assim ambas ilustram bem a questão. Tiveram mudanças de formação antes do estrelato e conseguiram se manter sólidas e com a mesma formação à despeito dos problemas pessoais, de relacionamento ou mercadológico em prol do objetivo comum, A Banda. Atualmente a formação do Inner Call está estável o que não quer dizer que esteja completa. Nossas músicas são compostas para duas guitarras e para executá-las ao vivo com uma única é preciso um rearranjo. Então estamos analisando qual o melhor caminho se a execução com uma única guitarra ou trazer mais um membro para a banda. Como você enxerga os lançamentos feitos por bandas atualmente no quesito mídia? Quais são suas mídias favoritas atualmente quando você vai comprar um material de uma banda? Roberto Índio: As bandas e artistas estão tendo que se adaptar de maneira quase que instantânea ao mercado […]

PARADISE IN FLAMES: “Fazemos questão de lançar em mídia física”.

Clinger Carlos

O Heavy Metal On Line bateu um papo exclusivo com a banda PARADISE IN FLAMES e este bate papo pode ser conferido nesta matéria especial. Falando da atual situação mundial e de outros fatores relevantes,   também destacou também o impacto do COVID-19 no cenário heavy metal atual. Sabemos que quase todas as bandas do cenário têm frequentes problemas com mudanças na formação, como foi o caso da Nervosa recentemente. Fale sobre os impactos de uma mudança na formação de uma banda e como está a formação da banda atualmente? André Damien: As mudanças são sempre complicadas, mas eu acredito que sempre  possa existir uma oportunidade de crescimento, no caso da banda Nervosa eu creio que elas tiveram seu desgaste com alta demanda das turnês, mas hoje tem tudo para serem ainda maiores e darem muito orgulho para o Brasil. No Paradise in Flames estamos estabilizados há mais de um ano com a atual formação, mas desde o inicio alinhamos todas as expectativas para não gerar conflitos, porém o ser humano esta em constante mudanças e o humor dos indivíduos são imprevisíveis (risos). Temos sempre que realinhar os objetivos individuais para que não gere frustrações e perca de tempo com novas mudanças. Na banda muito das pessoas que saíram foram simplesmente por dois motivos: ou não devia nem ter entrado, o perfil não estava alinhado com o que banda precisava, ou devido aos desgaste nas turnês, é estranho pensar, mas só começamos a conhecer as pessoas quando você tem um convívio de mais de 72Hrs.(risos) Como você enxerga os lançamentos feitos por bandas atualmente no quesito mídia? Quais são suas mídias favoritas atualmente quando você vai comprar um material de uma banda? André Damien: Nos fazemos questão de lançarmos os álbuns em mídia física (CD), sabemos que existe uma grande parte do público que curte ter esta experiência de se ouvir um disco lendo o encarte. Eu particularmente nunca tive essa tara com mídia física, na época dos LPs eu fazia copias em K7 devido a praticidade de poder escutar em qualquer lugar e na época dos compact disc juntava todos em um […]

AXECUTER: Banda fala sobre o que pode acontecer nesse tempo de pandemia

Clinger Carlos

O Heavy Metal On Line bateu um papo exclusivo com com a banda Axecuter, através do nosso parceiro Sangue Frio Produções e este bate papo pode ser conferido nesta matéria especial. Falando da atual situação mundial e de outros fatores relevantes a banda sempre firme em suas respostas destacou também o lançamento do álbum “Surrounded By Decay”, lançado em março/2019. Confira abaixo as respostas da banda. 01 – É um prazer imenso estar falando com vocês, vamos lá: em um breve resumo, conte-nos como se deu início a trajetória musical do Axecuter? DANMENTED: A banda começou em 2010, com 3 amigos que já se conheciam há muitos anos e já tinham tocado juntos em outros projetos. Nossa intenção era tocar o mesmo tipo de som que gostamos de ouvir, influenciado basicamente pelos mestres dos anos 80. No ano seguinte, lançamos o EP “Bangers Prevail” em tape e depois saíram outros materiais, até o nosso novo álbum “Surrounded By Decay”, lançado em março/2019. 02 – Axecuter é uma banda que busca fugir de rótulos e traz em sua essência as influências variadas de cada membro integrante. Que influências foram essas? No que elas contribuíram para construção de “Surrounded By Decay”? DANMENTED: Não existe uma fórmula, eu apenas diria que nossas diversas influências se misturam no nosso som. Os três integrantes ajudam a compor e isso ajuda a deixar as músicas mais variadas, dentro da proposta original da banda.  RASCAL: Outro fator que influencia muito é o que escutamos no momento, o que deixa o processo de escutar nossas músicas algum tempo depois muito interessante para nós mesmos, pois o processo se torna mais vivo, dinâmico. 03 – Vocês construíram uma trajetória bacana na cena underground, hoje com uma formação consistente e estável, como vocês se sentem observando o resultado que no “Surrounded By Decay” tem proporcionado? Bem como o amadurecimento e as conquistas alcançadas atualmente? RASCAL: Com muita satisfação, acho que é o resultado de muito suor e enfrentamento às situações adversas. No Brasil não há um apoio massivo ao Metal, some-se ainda um underground decadente de público e atitude. Ver o trabalho […]